30.11.10

Olimpíada de Língua Portuguesa

EMEF Prof.ª Maria Julia Antunes do Amaral Moreira

Aluna: Isabele Silva Meireles

Professora: Renata de Souza Gavião

A terra da minha vida

Aqui nessa terra abençoada

Moro e não quero mudar.

Minha terra muito amada,

O mais lindo lugar!

Querida terra santa

Do meu saudoso Frei Galvão,

Que de muita esperança,

Enche o meu coração!

Terra das garças brancas,

Do meu lindo Rio Paraíba

De pessoas com fé e esperança

Oh! Cidade cheia de vida!

Lugar especial,

Cidade querida e amada,

A minha cidade natal!

Lugar igual não há

Terra santa, amada e querida

... minha eterna.. Guaratinguetá.

Depoimento da aluna:

Eu achei muito interessante fazer o poema para a Olimpíada de Português, na hora achei que não ia conseguir passar estava curiosa para saber quem iria passar, a professora corrigiu todos e falou que escolheu o meu e fique muito feliz, depois de um tempo saiu o resultado e ela me disse que eu ganhei em 4° lugar, fiquei feliz e contei para todos da minha família.

Eu acho muito interessante a Olimpíada de Português,por fazer poemas pode influenciar as crianças a fazerem mais poemas,muitos querem participar só para ganhar os prêmios mas não é isso que importa é ter a sabedoria de fazer poemas.

Mas acima de tudo devo tudo isso para a minha professora que me ensinou tudo o que eu sei.

Isabele Silva Meireles - 5°ano D1.

19.11.10

Origem das máscaras africanas

As máscaras são muito apreciadas na cultura africana.
Para algumas tribos elas podem ser criadas para garantir uma boa colheita, para outras elas servem para identificar uma família, comemorações de nascimento, enterros, homenagear antepassados.
Podem ser feitas de madeira, ferro, pano, conchas, sementes, tintas, folhas e legumes.

Os alunos do 4º ano U da Professora Roseli Ferreira tiveram uma aula produtiva sobre a Consciência Negra, juntando Arte, História, Geografia e Português, confeccionaram várias máscaras de origem africana.
No primeiro momento visualizando sobre a história das tribos africanas, levando em consideração a região onde viviam e seus costumes da sua terra natal.
Posteriormente com introdução de uma música para o envolvimento dos mesmos e também para estimular a criatividade de cada aluno. Estávamos em ritmos de atabaques e numa harmonia gostosa conseguimos nos interagir nas confecções das máscaras africanas.

4º Ano U - Professora: Roseli Ferreira












Máscaras africanas

MÁSCARAS AFRICANAS

As máscaras sempre foram as protagonistas indiscutíveis da arte africana. A crença de que possuíam determinadas virtudes mágicas transformou-as no centro das pesquisas. O fato é que, para os africanos, a máscara representava um disfarce místico com o qual poderiam absorver forças mágicas dos espíritos e assim utilizá-las em benefício da comunidade: na cura de doentes, em rituais fúnebres, cerimônias de iniciação, casamentos e nascimentos. Serviam também para identificar os membros de certas sociedades secretas.

5º Ano D 1 - Professora: Renata






BONECA ABAYOMI

Boneca de pano, de formas e tamanhos variados, sempre negra, de confecção muito simples, que não utiliza cola nem costura e os retalhos são apenas amarrados.
Valoriza a cultura afro e contribui para o reconhecimento da identidade afro-brasileira.
O nome é comum na África do Sul.

ABAYOMI:
ABAY= ENCONTRO
OMI= PRECIOSO

Abayomi do Yorubá (feminino) significa encontro feliz, encontro precioso, ou aquele que traz felicidade ou alegria.
Pode ser traduzida como:
“Ofereço para você o melhor que eu tenho em mim” ou “aquela que traz minhas qualidades”.
Em viagens para o Brasil em direcção a escravidão, as mulheres rasgavam a barra da saia e faziam Abayomis para as crianças brincarem.... E já aqui como escravos, reuniam-se todos os dias na senzala e confeccionavam as Abayomis pedindo saúde e prosperidade.

5º Ano D 1- Professora: Renata






Dia da consciência negra


Desenhos realizados sobre o tema Consciência Negra










Meninas negras


A turma do 5º ano A 1 da professora Ana Maria produziu uma apresentação de vídeo do livro Meninas Negras.











Cultura Afro-brasileira


Os alunos do 4º ano X da professora Aline criaram um vídeo sobre a cultura afro-brasileira com versos sobre estilos musicais e danças afro-brasileiras.




video

Personalidades negras

As turmas do 2º ano G e J da professora Maria Aparecida exploraram o tema da consciência negra por meio de atividades como uma produção de frases sobre algumas personalidades negras.





Reescrita Menina bonita do laço de fita

O tema da Consciência negra foi trabalhado com os alunos do 2º ano H pela professora Lucimar através do projeto do livro: Menina bonita do laço de fita, no qual entre outras atividades eles reescreveram a história e a ilustraram.

Menina bonita do laço de fita

Era uma vez uma menina, ela era tão pretinha igual uma pantera negra.

Tinha um coelho que gostava da menina bonita do laço de fita e perguntava:

- Qual é o seu segredo para ser tão pretinha?

- É que eu comi muita jabuticaba. O coelho comeu um quilo de jabuticaba, mas não ficou preto. A menina inventou outra idéia:

- Eu bebi muito café. O coelho bebeu café, mas não adiantou nada.

A mãe da menina explicou para o coelho e ele entendeu que a gente se parece com os familiares.

O coelho queria ter uma filhinha pretinha igual à menina, então ele encontrou com uma coelha pretinha e teve vários filhotinhos e viveram felizes para sempre.

Nomes: João Vitor e Gabriel 2º H









18.11.10

BOA SORTE AOS NOSSOS ALUNOS QUE IRÃO PARTICIPAR DA 2ª ETAPA DA OLIMPÍADA DE MATEMÁTICA:


Carolina de Araujo Cabeti
Eduarda Cristine Pereira da Silva
Adrian manoel de Souza
Talita Vieira Campos
João Victor Gabriel de Andrade
Victória da Silva Pereira
Rafael Jonas Fonseca Luciano
Ramon Augusto Florêncio de Oliveira
Alessandra Ramos da Silva
Alikelli Ferreira Meirelles
Ester Helena dos Santos Lopes
Sabrina Gomes do Amaral
Thaylla Cristina Silva dos Santos
Renam Santos Silva
Silas Augusto Miranda Coelho Silva
Anna Júlia de Souza Meira
Júlia Batista de Carvalho
Thalita Tayane Oliveira da Silva
Allan Jones Bassanelli da Silva Batista
Ezequiel Felipe da Silva Galvão
Luís Miguel Ramos de Miranda Campos
Nickolas Ricardo dos Santos Aguiar Pinto
Richard Alonso Avelino da Silva
Vitor Hugo dos Santos Rezende
Adriely Tavares Miguel Alencar Nogueira
Isabele Silva Meireles
Sophia Rangel Gonçalves Candido da Silva
Luana Alves Ribeiro dos Santos
Talita Sharon Leite da Silva
Anna Julia da Silva
Natan Caetano da Silva
Estefani Luiza Ambrósio da Silva Pereira



12.11.10

Consciência negra

Este trabalho foi desenvolvido com os alunos do 4º ano U da professora Roseli Ferreira. Após realizarem pesquisas, os alunos produziram pequenos versos sobre o tema.


Versos sobre a consciência negra


"Os escravos só trabalhavam

Quase nunca descansavam.
Faziam a comida do bom e do melhor
Mas comiam sempre do pior! "
Isabela e Maria Eduarda

"O negro era muito trabalhador
Sentia dor mas também falava de amor.
O negro jantava e deitava
E seu senhor os acordava. "
Breno e Luiz

"Os escravos sempre trabalhavam
E muitas vezes apanhavam.
Cortavam madeiras para os brancos
Que cada vez mais ricos iam ficando. "
Carlos
"Os negros foram muito tempo escravos
E por seus senhores eram maltratados.
Trabalhavam sem receber
Não conseguiam nada ter."
Adrian e Caio

"Os negros eram escravos
E por isso muito apanhavam .

Passavam muita fome
Tinham um sofrimento enorme.
Eles eram maltratados
E ainda hoje ás vezes são rejeitados."
Talita e Victória